sexta-feira ,17 novembro 2017
Página Inicial / Saúde / Açúcar ou adoçante: entenda a diferença e faça sua escolha

Açúcar ou adoçante: entenda a diferença e faça sua escolha

Em algum momento da vida, você vai se deparar com essa questão: açúcar ou adoçante? A resposta pode estar associada a um estilo de vida ou a uma escolha sem critério –  o que a longo prazo pode provocar efeitos colaterais. O CORREIO procurou nutricionistas e médicos para explicar a diferença entre os dois produtos e indicar a melhor opção para cada situação.
Os açúcares são fontes importantes de nutrientes e não devem ser excluídos totalmente das dietas. Seja em grãos ou na forma líquida, comprados no mercado, são produtos processados e, quando consumidos em excesso, podem levar à obesidade e outras complicações.

Os especialistas concordam em um ponto: o ideal é fazer uma reeducação alimentar para diminuir o desejo de comer doces. “O ideal é ir tirando o sabor doce da sua vida, adoçando menos os alimentos”, explica a endocrinologista Paula Velasco. Com a reeducação é possível até parar de consumir o açúcar ou o adoçante ficando apenas com aqueles encontrados em produtos naturais, como as frutas.

E atenção: aquela vontade de comer alimento doce pode ser mesmo um vício.  “Hoje em dia tem se discutido isso amplamente. Nosso cérebro se vicia em açúcar, principalmente na primeira infância. O recomendado é que nenhum açúcar seja dado para as crianças até os 2 anos, só o dos alimentos naturais. Porque o paladar das crianças é muito aberto ao doce, e é nos primeiros anos de vida que se vicia em açúcar. Além disso, você previne doenças como obesidade, hipertensão e diabetes”, explica a endocrinologista.

A data de 11 de outubro é o Dia Mundial de Combate à Obesidade. Entre as principais causas que contribuem para prevalência da doença estão o consumo de alimentos processados, incluindo açúcares,  estresse e falta de atividade física.

O cérebro se vicia em açúcar, principalmente na primeira infância. Nenhum açúcar deve ser dado para crianças até 2 anos, explica a endocrinologista Paula Velasco

Açúcares
Os mais comuns tipos de açúcares são refinado, cristal, mascavo e demerara – além do ‘emergente’ açúcar de coco. O refinado – mais claro e fino – é o mais modificado e menos nutritivo. Ele passa por processo industrial, que adiciona componentes químicos. O mais indicado por três nutricionistas ouvidos pelo CORREIO é o açúcar de coco, que se tornou popular por promover um baixo índice glicêmico –  ou seja, quando as moléculas são quebradas de maneira mais lenta pelo organismo.

O problema é o preço: 350 gramas pode chegar até a R$ 32. Como nem todo mundo tá disposto a pagar quase R$ 100 num quilo de açúcar, o melhor é investir no demerara – por passar por menos processos de refinamento, ter também baixo índice glicêmico e ser mais em conta. O quilo pode ser encontrado por R$ 6 nos mercados. “Mas é sempre importante lembrar que ele não deixa de ser açúcar e, por isso, não deixa de estimular um pico de insulina, da mesma forma”, explica a nutricionista Camila Berbert.

Já o mascavo é obtido diretamente do caldo de cana recém-extraído, passa por um refinamento leve e não recebe nenhum aditivo químico. Por isso, é o preferido pela nutricionista Fernanda Orichio.  Para ela, a escolha dos colegas de profissão pelo demerara é o risco de dejetos de insetos no mascavo – por conta de sua forma de obtenção. O quilo chega a custar R$ 15.

Mas, cuidado: para além do índice glicêmico, os açúcares possuem calorias. “O problema do açúcar também é a caloria. Em excesso, pode engordar. Coisa que não se tem nos adoçantes”, explicou a nutricionista Camila Calfa.

A nutricionista Íçara Santos, de 27 anos, opta pelo uso do açúcar demerara há três anos. “O que aprendi é que o adoçante é específico para quem tem diabetes. Tentei diminuir o uso açúcar e só tenho o demerara na minha casa. Ainda não consegui retirá-lo totalmente da minha dieta. Fora de casa é mais complicado. Quando não tem, eu acabo usando o branco mesmo”, conta.

A endocrinologista Paula Velasco explica que todo açúcar tem os mesmos efeitos – seja de coco, mascavo ou refinado. “Eles aumentam o índice glicêmico e a insulina, o que ajuda no ganho de peso. O melhor em usar os menos processados é porque eles levam menos produtos químicos para ‘branquear’. Mas todos são açúcar do mesmo jeito e devem ser usados com moderação”, conclui.

Adoçantes
Eles surgiram como alternativa para a ingestão do açúcar – e com menos calorias. Mas a indicação dos adoçantes ainda não é consenso, principalmente por conta da quantidade de “gotas” – quando utilizada de forma indiscriminada. O poder desses líquidos é 100 a 500 vezes maior do que o açúcar.

“Não adianta colocar 10 gotas no café. Você vai continuar estimulando o paladar pelo doce e a quantidade ingerida vai aumentar a velocidade de absorção da glicose”, explica Camila Calfa.

Os adoçantes mais comuns são aspartame e sacarina (à base de petróleo), sucralose (da cana-de-açúcar), stevia (da planta Stévia Rebaudiana) e xilitol (encontrados nas fibras de vegetais). Para preparar alimentos que vão ao forno, os menos indicados são a sucralose, que libera toxina em altas temperaturas, e o aspartame, que perde suas proteínas quando aquecido.

Os tipos mais comercializados no Brasil eram à base da sacarina e do aspartame. No entanto, houve uma mobilização no sentido de informar que, a longo prazo, os produtos poderiam causar câncer. Com isso, os nutricionistas indicam sempre adoçantes naturais, principalmente o xilitol que, por ser caro, acaba sendo menos utilizado, e o stevia.

“Com os adoçantes, de maneira geral, quando é utilizado de forma crônica, o organismo responde como se fosse absorver uma grande quantidade de carboidrato e, com isso, ele acelera a ingestão de outros carboidratos, o que não é legal”, explica a nutricionista Camila Berbert.

O Ministério da Saúde indica o uso de adoçantes apenas como parte do tratamento em diabéticos, em pessoas com excesso de peso ou os que estão tentando controlar o ganho. “O consumo dos adoçantes deve ser feitos por pessoas que querem perder peso. Diferente do açúcar. Para pessoas magras e que praticam atividade física intensa, pode até ser benéfico”, explica o endocrinologista Durval Sobreiro.

O estudante de educação física Jairo Pereira, 31, consome adoçante  naturais e conta que, com a reeducação alimentar, o açúcar passou a ficar em escanteio.

Colaborou Raquel Saraiva

 

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Itaberaba: Prefeito Ricardo Mascarenhas traz o Expresso Saúde de volta para a zona rural

  O Expresso Saúde é um projeto criado na gestão do ex-prefeito Jadiel Almeida Mascarenhas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *