sábado ,21 outubro 2017
Página Inicial / Saúde / Anvisa autoriza produção de testes rápidos da Bahiafarma para Febre Amarela

Anvisa autoriza produção de testes rápidos da Bahiafarma para Febre Amarela

Foto: Reprodução

A Bahiafarma foi autorizada a produzir e vender os testes rápidos para detecção de febre amarela desenvolvidos na unidade. Ontem, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou no Diário Oficial da União o registro que libera o método, cujos detalhes serão divulgados hoje à imprensa pela Secretaria Estadual de Saúde. Com o aval da Anvisa, a Bahiafarma se tornou o primeiro laboratório público a fabricar esse tipo de diagnóstico no Brasil e um dos poucos do mundo  com testes rápidos para os principais vírus transmitidos por mosquitos – antes da febre amarela, o portfólio da fábrica inclui dispositivos para dengue, zika e chikungunya.

Tipo único
O novo teste da Bahiafarma, o YFV IgG/IgM, é o pioneiro em detectar infecções recentes ou anteriores de febre amarela. O resultado sai em até 20 minutos, o que permite tratar o paciente com maior rapidez e exatidão. “É importante também para estratégias públicas de combate ao avanço da doença, por mapear em tempo real casos nas diversas regiões do país”, disse o diretor-presidente do laboratório, Ronaldo Dias.

Pulo de cerca
O presidente estadual do Pros, Fabrício Figueiredo, confirmou negociações avançadas para atrair os deputados estaduais Alan Castro, Nelson Leal e Reinaldo Braga. Interessados em deixar o PSL, o trio tende a seguir os passos do colega Manassés,  praticamente fechado com o Pros. O partido mira ainda Jurandy Oliveira, que deixou o PSL para retornar ao PRP. Caso o êxodo se confirme, a bancada do PSL ficará reduzida a dois parlamentares – Marcelo Nilo e Paulo Câmera. Bem diferente de 2016, quando se tornou uma das mais fortes na Assembleia Legislativa.(Correio 24 horas)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Itabuna: Enfermeiro nega negligência em caso de atendimento de idosa

Filmado no computador enquanto uma idosa, de 78 anos, passava mal, um enfermeiro do Hospital de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *