Página Inicial / Polícia / Baianos são vítimas do conhecido golpe do falso sequestro

Baianos são vítimas do conhecido golpe do falso sequestro

Foto: Reprodução

‘Assustada, acabei falando o nome da minha filha’, conta mulher que quase foi vítima de trote.

Apesar das estratégias de fisgar as vítimas por meio de vírus maliciosos e fraudes utilizando aplicativos de mensagem, existem também os falsos sequestros. Apesar de antiga, a prática delituosa ainda é comum. Foi o que aconteceu com a lavradora Gisélia Santos, de 46 anos, moradora do município de São Felipe. Ela recebeu a ligação de bandidos informando que haviam sequestrado a filha dela, que estuda em Salvador.

“Era uma ligação de um número desconhecido. Ao atender, ouvi uma menina gritando, chorando e pedindo socorro. Ela falava: ‘mãe, eles me pegaram aqui, estão apontando uma arma para minha cabeça’”, conta. Assustada, ela falou o nome da filha, o que deu mais munição para a ação dos criminosos, que pediram o pagamento de R$ 3 mil para o resgate. Ela chegou a informar que não tinha toda a quantia, mas a pessoa do outro lado da linha passou o número da conta e pediu que ela fizesse o depósito do dinheiro que tinha disponível.

“Como que eu moro na zona rural de São Felipe, a sete quilômetros de distância do centro da cidade, não encontrava ninguém para me levar à cidade. Nesse meio tempo, meu marido chegou e me viu desesperada.  Ele começou a ligar para as pessoas da família, e ficou logo todo mundo desesperado”, conta Gisélia, que continua:  “Meu irmão chegou a me alertar que isso poderia ser golpe, mas como eu não conseguia falar ou localizar minha filha, não estava disposta a pagar o preço”, lembra a lavradora. Só depois de muito tempo a família conseguiu falar com a filha dela e confirmar que estava tudo bem e que a história era um golpe.

Após o episódio, o mesmo número voltou a fazer ligações para a lavradora, mas ela passou a recusar as chamadas. “Recentemente, recebi uma ligação com as mesmas características: número desconhecido, uma menina gritando e pedindo socorro… mas nem esperei. Desliguei o telefone e liguei para a minha filha”, lembra.

Consumado
Quem não teve a mesma sorte de descobrir o crime antes de tomar o prejuízo foi a aposentada Maria da Conceição, de 71 anos. Há seis anos ela também recebeu uma ligação de um suposto sequestro. A vítima em questão seria a irmã dela. “Uma mulher me ligou se passando por minha irmã e dizendo que havia sido sequestrada. Um homem tomou o telefone e pediu para que eu colocasse crédito em dois celulares”, lembra.

Como não conseguiu falar com a irmã e os familiares, a aposentada acabou colocando R$ 500 em cada linha telefônica dos bandidos. Só depois de conseguir contato com os familiares e saber que a irmã estava visitando o ex-marido em um hospital ela percebeu que havia caído no golpe. “Eles deram 15 minutos para colocar o crédito e faziam ameaças a todo o momento. A voz da mulher parecia muito com a da minha irmã”, conta. Conceição lembra que na época o prejuízo foi grande, já que o dinheiro perdido seria utilizado para custear os tratamentos de radioterapia do marido. Ela conta que após o golpe não procurou a polícia pois teve medo de represália dos criminosos. De acordo com especialistas, em momentos como esse, o importante é tentar manter a calma, confirmar se o caso de sequestro é verdadeiro e entrar em contato com a polícia.

Na maioria dos casos, a estratégia dos criminosos é agredir psicologicamente a pessoa com frases fortes e proferir ameaças ao suposto refém, além de manter a vítima ao telefone, impedindo-a de desligar. “No momento de pressão eu não pensei duas vezes em fazer o que eles queriam”, lembra Maria da Conceição.(Correio)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Irecê/BA: Mulher tem casa destruída na cidade

Patrícia dos Santos Cardoso moradora do bairro Novo Horizonte, em Irecê/BA, teve a sua casa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *