terça-feira ,18 junho 2019
Página Inicial / Mulher / Defensoria Pública pede que abortivo volte a ser vendido em farmácias do Brasil

Defensoria Pública pede que abortivo volte a ser vendido em farmácias do Brasil

A Defensoria Pública da União realiza nesta quinta-feira (28), em São Paulo, uma audiência pública para discutir a proibição da venda de medicamentos abortivos, à base de misoprostol, em farmácias do Brasil. A norma está vigente desde 2005, mas o órgão argumenta que não tem justificativas médicas ou legais.

Medicamentos à base de misoprostol só podem ser usados no país em hospitais credenciados pelo Ministério da Saúde para realização de aborto. No entanto, a Defensoria Pública argumenta que a restrição viola o direito à saúde de mulheres que desejam interromper gestações em casos de estupro, feto anencéfalo e risco à vida da mãe, todos previstos por lei.

“A proibição da venda de misoprostol em farmácias é inconstitucional. Viola o direito à saúde. Esse tipo de venda precisa ser feito, sob prescrição médica e com retenção da receita nas drogarias. Nessa área, o Brasil está muito atrasado. O país não está de acordo com as melhores práticas internacionais para garantir o melhor tratamento possível para quem vai fazer aborto legal”, afirmou a defensora pública federal Fabiana Severo, ao jornal O Globo.

De acordo com a Defensoria Pública, a proibição vai contra o guia “Medical Management of Abortion”, publicado em janeiro deste ano pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O documento aponta o aborto medicamentoso como a estratégia mais segura e barata para o sistema público.

 

Fonte:  Bahia notícias

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Cidades desenham programas para substituir Mais Médicos

Na falta de definição do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de qual programa substituirá o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *