sexta-feira ,14 dezembro 2018
Página Inicial / Acidente / Incêndio destrói casarão no centro histórico de Salvador

Incêndio destrói casarão no centro histórico de Salvador

Um incêndio de grande proporção destruiu um casarão onde funcionava uma loja de móveis, na região da Baixa dos Sapateiros, no centro histórico de Salvador, na noite desta segunda-feira (3). Não há informações de vítimas.

O fogo no casarão ocorre 24 horas depois de um incêndio destruir o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio.

O incêndio começou por volta das 21h40 no imóvel de dois andares na avenida José Joaquim Seabra, uma região de comércio popular na capital baiana. As chamas de fogo podiam ser vistas à distância.

Cinco equipes do Corpo de Bombeiros, totalizando 40 homens, foram enviadas ao local para combater o fogo, que foi controlado por volta das 3h desta terça-feira (4).

Os bombeiros ainda permaneciam no local por volta das 5h30 fazendo o trabalho de rescaldo para impedir o surgimento de novos focos de fogo. Após o término do trabalho dos bombeiros, a Defesa Civil vai fazer a vistoria do imóvel para avaliar se o incêndio danificou a estrutura do imóvel.

Nas redes sociais, os internautas postaram mensagens sobre o incêndio no casarão dizendo que estão apagando a nossa história.

O novelista Walcyr Carrasco postou uma foto do imóvel lamentando que mais um incêndio atingia um patrimônio histórico. “É mesmo muita falta de carinho com nossos bens culturais”, escreveu.

REVITALIZAÇÃO CASARÕES

No ano passado, a Câmara Municipal de Salvador aprovou um pacote de incentivos fiscais para requalificação de imóveis abandonados ou subutilizados no centro da cidade.

De um lado, o projeto daria descontos em tributos para quem reformar, manter e dar uso a imóveis da região.

Do outro, previa que quem não fizer o devido restauro pagará IPTU mais caro e pode até ser alvo de um processo administrativo para arrecadação do imóvel —uma espécie de “estatização” sem contrapartida financeira.

Além do centro histórico, área tombada pela Unesco em 1984 que inclui o Pelourinho, o projeto da prefeitura soteropolitana contempla outros dez bairros da região central da cidade, incluindo Comércio, Lapinha e Nazaré.

Ao contrário do projeto de revitalização do centro histórico realizado nos anos 1990, o projeto não previa aquisição nem investimento direto do poder público na recuperação dos casarões.

 

 

Fonte: Folha de São Paulo

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Municípios baianos recebem repasse extra de R$ 377 milhões da União

Num cenário de dificuldades para pagar salários e manter serviços públicos, os municípios vão iniciar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *