terça-feira ,21 janeiro 2020
Página Inicial / Educação / Índices ruins na educação são culpa do PT, mas não apenas dele

Índices ruins na educação são culpa do PT, mas não apenas dele

A culpa dos números baixos do Brasil no Pisa, prova internacional que avalia o nível da educação de países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), é do PT. Mas não só do Partido dos Trabalhadores, apesar da maioria dos antipetistas acreditar que Lula e Dilma foram os grandes responsáveis por esse rendimento abaixo da média mundial. A educação no Brasil é um problema crônico para o qual o PT teve oportunidade de dar sua contribuição. Pena que usou doses homeopáticas.

É injusto afirmar que a era do petismo na educação não registrou avanços, ainda que o Pisa mostre certa estagnação entre 2009 e 2019. Houve a universalização do acesso ao básico, um crescimento exponencial do número de universidades, mas isso não resultou em uma melhora contínua dos índices. Infelizmente. Essa sujeira, inclusive, é colocada para debaixo do tapete desde a década de 1980, quando a educação pública começou a ser sucateada e não encontrou um rumo na aplicação de políticas públicas.

Se é para encontrar culpados, listemos as dezenas de ministros da Educação que passaram pela pasta desde José Sarney, passando por Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. Avancemos no período de Lula e Dilma, mas cheguemos também a Michel Temer. Nenhum governante conseguiu, por mais que tenha estado imbuído em boas intenções, mudar o quadro degradante da infraestrutura e da qualidade de vida para estudantes e professores. O resultado dessa sucessão de erros são números ruins, tanto no comparativo internacional quando nos locais, a exemplo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Também é extremamente inadequado dizer que o governo de Jair Bolsonaro tem qualquer responsabilidade com esse pífio desempenho. Em 11 meses de governo, não houve sequer uma prova de avaliação realizada para identificarmos qualquer mudança de paradigma. O que não quer dizer que as políticas claramente equivocadas tocadas por Vélez Rodríguez e Abraham Weintraub sejam algum avanço. Muito mais preocupam do que nos deixam aliviados. Mesmo porque os últimos atos do atual ministro da Educação são assombrosos.

Pisa não é apenas uma sigla para Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. No Brasil é o que o país faz com uma das áreas mais importantes para o desenvolvimento de seu povo. E, no meio do fogo cruzado entre polos políticos, quem perde é a população, especialmente a mais pobre, que não consegue ter acesso à educação de qualidade. Independente de quem esteja no poder.

Este texto integra o comentário desta quarta-feira (4) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Irecê Líder FM, Clube FM, RB FM, Valença FM e Alternativa FM de Nazaré.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Brasil corre risco de ter exército de professores sem emprego nos próximos anos

O Brasil corre o risco de ter um exército de professores sem trabalho nos próximos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *