sexta-feira ,20 outubro 2017
Página Inicial / Noticias / Magistrados do TJ-BA cobravam 5% de propina em causa que vale até R$ 1 bilhão

Magistrados do TJ-BA cobravam 5% de propina em causa que vale até R$ 1 bilhão

Os dois desembargadores e três advogados envolvidos em um esquema criminoso no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) cobravam 5% de propina sobre o valor de um processo envolvendo o espólio de Leopoldo Batista de Souza. A causa contra o Banco Bradesco valia entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão, segundo informou o Ministério Público da Bahia (MP-BA) em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (4). Os herdeiros de Leopoldo – cujo nome batiza a operação do MP-BA deflagrada ontem – entraram em contato com desembargadores para que o processo tivesse andamento e receberam dos magistrados uma solicitação de vantagem indevida. “Eles cobraram uma propina para poder julgar essa causa. segundo apurado, nas estimativas mais modestas, essa causa gira em torno de R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão e os ex-magistrados teriam cobrado 5% do valor da causa para cada um deles para que fosse colocado em julgamento o processo e fosse dada a decisão favorável”, esclareceu o promotor Luciano Taques Ghignone. O MP-BA não divulgou os nomes dos envolvidos no esquema, mas revelou que a relatora da ação é uma das pessoas investigadas. O caso era relatado pela desembargadora Daisy Lago Ribeiro Coelho. O outro desembargador alvo da operação era próximo à relatora. “Ele serviu de ponte para que pudesse ser feita a solicitação da vantagem ilícita”, afirmou o procurador. Segundo ele, a causa chegou a valores tão altos por conta do tempo que os herdeiros de Leopoldo esperaram para entrar na justiça. “O falecido tinha títulos de crédito contra uma grande instituição financeira brasileira e os herdeiros regataram esses títulos e entraram com a cobrança. Eram títulos muito antigos, cuja atualização monetária, cuja correção em juros, leva a valores estratosféricos”, explicou. No entanto, a decisão favorável não aconteceu e os valores indevidos não foram pagos. “Contrariamente à vontade deles, essa causa acabou sendo objeto junto ao Superior Tribunal Justiça”, disse Ghignone. As investigações começaram no dia 19 de fevereiro deste ano e o MP-BA ainda vai dar sequência à apuração com os objetos e documentos colhidos na manhã de ontem (04). (Com informações do BahiaNotícias)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Seabra: Egressa da UNEB Seabra abrilhanta programa de TV e participa de IV Fórum de Coordenadores pedagógicos na Bahia

Depois de estrear no programa Encontro, da rede globo na última sexta-feira, 13, a coordenadora …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *