quarta-feira ,18 outubro 2017
Página Inicial / Saúde / MP-BA abre Inquérito Civil para garantir oferta de iodoterapia pelo SUS na Bahia

MP-BA abre Inquérito Civil para garantir oferta de iodoterapia pelo SUS na Bahia

Foto: Reprodução / Medicina Nuclear e Radiologia

O Ministério Público do Estado (MP-BA) abriu um Inquérito Civil para garantir a oferta do tratamento de iodoterapia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para 100% da demanda da Bahia. O tratamento geralmente é indicado para pacientes que apresentam câncer de tireoide papilar ou folicular. De acordo com a promotora de Justiça Ana Luiza Alves, responsável pelo inquérito, o processo está em andamento e a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e a Comissão Interestadual Bipartite foram oficiadas quanto à questão.

O Hospital São Rafael (HSR) e o Hospital Aristides Maltez (HAM) são as unidades de referência do tratamento no estado. O procedimento é realizado através de encaminhamento por meio de regulação, realizada pelo município de Salvador, pelo Sistema Vida+. De acordo com informações da Sesab, o HAM realizou 981 procedimentos de iodoterapia no ano de 2016 e o HSR realizou 40 procedimentos. No estado, mais dois hospitais realizam o procedimento: o Hospital Dom Pedro de Alcântara, em Feira de Santana, e o Hospital Manoel Novais, em Itabuna.

Para expandir o tratamento, o Hospital Samur, de Vitória da Conquista, deve iniciar o tratamento. A unidade foi habilitada pelo Ministério da Saúde para realizar o procedimento em dezembro de 2016 e irá oferecer o tratamento na região sudoeste da Bahia. De acordo com informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 110 homens e 440 mulheres desenvolvem neoplasia maligna de tireoide anualmente.   O tratamento é feito, geralmente, após cirurgias para remover o tumor localizado na tireoide. O paciente ingere o iodo radioativo, que é incolor e não tem gosto. O paciente toma o líquido em um canudo, para evitar entrar em contato com o recipiente. A tireoide atrai o iodo e sofre com a radiação, permitindo que as células cancerígenas remanescentes sejam eliminadas. O paciente pode ou não ficar internado após o procedimento, dependendo da quantidade que foi ingerida. Quando a dose é baixa, ele pode retornar para a casa no mesmo dia.(Bahia Notícias)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Hemoba esclarece que há estoque de sangue para atender vítimas de acidente em Piritiba

A coordenadora do Hemoba de Feira de Santana, Nilza Azevedo, alerta à população que não …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *