quinta-feira ,19 julho 2018
Página Inicial / Política / Mundo: Prefeito é amarrado a instrumento de tortura por ‘não cumprir promessas’

Mundo: Prefeito é amarrado a instrumento de tortura por ‘não cumprir promessas’

Foto reprodução/El Deber

O prefeito da cidade de San Buenaventura, ao Norte de La Paz, na Bolívia, foi amarrado por moradores a um instrumento de tortura conhecido como berlinda, usado na Idade Média. Ele é acusado de não cumprir promessas feitas na campanha eleitoral. Apontado como um mau gestor, Javier Delgado teve a perna direita presa à berlinda por moradores da comunidade de San José de Uchupiamonas, a 50 quilômetros da prefeitura.

Imagens da “punição” estão circulando nas redes sociais. Segundo a imprensa local, o prefeito ficou preso durante aproximadamente uma hora, no último fim de semana. Ele já teria passado por duas situações semelhantes, em 2015 e 2016.

Ao jornal local “El Deber”, o prefeito disse que “foi uma total confusão, uma distorção de informações motivada por pessoas com interesses pessoais e políticos que estariam buscando revogar meu mandato”, disse o gestor. “Tenho os vídeos em que me pedem desculpas em público. Se trata de uma intransigência por informações falsas, por desinformação intencional”.

A ideia do prefeito era visitar comunidades para entender suas necessidades, mas moradores de San José, insatisfeitos com a gestão de Delgado, decidiram castigá-lo. Ele estava lá para entregar um galpão construído pela prefeitura, segundo a rádio “Fides Trinidad”.

Finalizada a punição, os moradores se reuniram para conversar com o prefeito. Delgado não fez menção de responsabilizar as pessoas criminalmente pelo que aconteceu, mas disse ter sentido “uma profunda tristeza que a população não está informada”. Ele também afirmou que aquela foi uma punição “mais do que física, moral”.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Prefeitos baianos vão a Brasília buscar medidas de apoio para período de estiagem

Uma comissão de prefeitos baianos se reuniu com o ministro da Integração Nacional, Antônio de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *