sexta-feira ,24 novembro 2017
Página Inicial / Mulher / Chapada: Bebes que nascerem em outras cidades, poderão ser registradas na cidade da mãe; Lei beneficia pequenas e médias cidades

Chapada: Bebes que nascerem em outras cidades, poderão ser registradas na cidade da mãe; Lei beneficia pequenas e médias cidades

Foto: Reprodução/ Mil Dicas de Mãe

A lei sancionada na última quarta-feira (27) pelo presidente Michel Temer,  trará uma representatividade na taxa de natalidade de muitas cidades da Chapada Diamantina. Finalmente, várias cidades poderá ver crescer sua taxa de nascimento, e em contrapartida, algumas terão essas taxas diminuídas. Trata-se de uma lei que permite que recém-nascidos sejam registrados com naturalidade da cidade onde a mãe mora e não necessariamente no local onde eles nasceram. Segundo o Bahia Notícias, com a medida, nas certidões de nascimento constarão a data do registro, a data do nascimento e a naturalidade, e caberá ao declarante no registro do cartório indicar a cidade de nascimento ou de residência da mãe como naturalidade do bebê.

Quando se trata da Bahia, na prática, a ação beneficiará municípios pequenos e médios que não possuem maternidade. “É bom ser natural de sua cidade. Só porque dormiu uma noite e nasceu você não deveria ter que ser registrado em outro local”, disse o prefeito de Gavião, Raul Soares (PSD). Mulheres da cidade de Gavião normalmente vão até Riachão de Jacuípe ou Capim Grosso para realizarem o parto.

O prefeito de Andaraí, João Lúcio (PSD) concorda com a fala de Soares. “Tem a questão do orgulho e do pertencimento, acaba até afetando na questão da identidade, de nascer na cidade onde muitas vezes você construiu a vida”, explicou. Outro fato apontado por ele é que no caso de cidades em que o nascimento não é registrado, muitas vezes acontece a retração populacional. Quando a retração é constatada pelo Censo Demográfico impacta diretamente na diminuição dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “Há municípios cuja população diminuiu e por consequência houve diminuição do recurso. Quanto maior a população, maior possibilidade de angariação de recurso”, afirmou o gestor de Andaraí. Quando se trata do município de Lafaiete Coutinho, o prefeito José Freitas de Santana explicou que mesmo sem maternidade, a lei não afetará a cidade. “Apesar das mães geralmente darem luz em Jequié, os bebês normalmente são registrados em Lafaiete, então não impacta em nada”, ressaltou. (Chapada News com informações do Bahia Notícias)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Vídeo: Governador anuncia entrega da UPA de Macaúbas para dia 9 de dezembro

Em vídeo o Governador da Bahia, Rui Costa, confirma sua visita a Macaúbas para entrega …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *