sexta-feira ,17 novembro 2017
Página Inicial / Noticias / NOVA REDENÇÃO: Prefeita é acionada pelo MPF por desvio de R$ 120 mil do Fundeb

NOVA REDENÇÃO: Prefeita é acionada pelo MPF por desvio de R$ 120 mil do Fundeb

Anna Guadalupe desviou verbas da conta do Fundeb para outra conta do município e não responde às requisições de informação do MPF |  FOTO: Montagem do JC |
Anna Guadalupe desviou verbas da conta do Fundeb para outra conta do município e não responde às requisições de informação do MPF | FOTO: Montagem do JC |

A prefeita do município de Nova Redenção, na Chapada Diamantina, responde a mais duas ações de improbidade movidas pelo Ministério Público Federal (MPF) em Irecê. Anna Guadalupe Azevedo (PSD), além de perder as eleições de 2016 ainda é acusada de desviar R$ 120 mil do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e de não atender as requisições de informações do MPF sobre supostas irregularidades em licitação envolvendo recursos federais. Em julho de 2016, a gestora já foi acionada pelo MPF por não prestar informações solicitadas em outro inquérito.

A ação que processa Anna Guadalupe por desvio de recursos do Fundeb, proposta em 27 de julho, tem como base o processo julgado pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) em 2015, que aprovou as contas da prefeita referentes ao ano de 2014 com ressalvas. Isso porque o TCM identificou duas transferências que somam R$ 120.200,00, passadas da conta específica do Fundeb para outra conta bancária da prefeitura. O recurso deveria, segundo parecer do próprio Tribunal, ser ressarcido à conta do Fundeb, o que não foi feito.

A Lei Federal n° 11.494/2007 determina que no mínimo 60% dos recursos anuais do Fundeb devem ser aplicados na remuneração dos professores da educação básica em exercício na rede pública. Os outros 40% devem ser aplicados nas demais ações de manutenção e desenvolvimento da educação básica pública. Com o desvio para outra conta, o MPF entende que o recurso não foi destinado ao seu propósito. No curso das investigações, a prefeita foi oficiada pelo órgão para apresentar informações acerca da aplicação do montante desviado, mas não atendeu às requisições do MPF.

O autor da ação, procurador da República Márcio Castro, requer medida liminar determinando a apresentação do extrato bancário da conta da prefeitura que recebeu os 120 mil reais, referente a outubro de 2014, e o bloqueio de bens da prefeita nesse mesmo valor. No fim do julgamento do processo, requer a condenação da gestora pelas sanções previstas no art. 12, incisos II e III da Lei nº 8.429/1992 (Lei de Improbidade Administrativa) – especialmente o ressarcimento integral do dano e a suspensão dos direitos políticos. A ação foi proposta em 27 de julho.

A outra ação, movida pelo MPF em 5 de setembro, tem origem em representação formulada pelo vereador de Nova Redenção, noticiando supostas irregularidades na etapa de tomada de preços de um processo licitatório realizado pela prefeitura em 2014 para aplicação de recursos federais. Para apurar a situação, o órgão instaurou o inquérito civil público 1.14.012.000035/2015-53, em maio de 2015. De lá pra cá, o MPF requisitou informações à Anna Guadalupe por sete vezes, usando canais diferentes (ofício, telefone e e-mail) mas não obteve resposta.

De acordo com o § 3º do art. 8 da Lei Complementar nº 75/1993, “a falta injustificada e o retardamento indevido do cumprimento das requisições do Ministério Público implicarão a responsabilidade de quem lhe der causa”. Consta nas atribuições do órgão, segundo o inciso VI do art. 129 da Constituição de 1988, “expedir notificações nos procedimentos administrativos de sua competência, requisitando informações e documentos para instrui-los”.

O MPF requer medida liminar determinando que a prefeita apresente as informações solicitadas, visando a conclusão da investigação sobre suposto desvio ou má aplicação de recursos da União. No fim do julgamento, requer a condenação da gestora às sanções previstas no art. 12, inciso III da Lei nº 8.429/1992 (Lei de Improbidade Administrativa) – especialmente a suspensão dos direitos políticos. As informações são do MPF-BA.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

UTINGA: Cipe Chapada Captura Menor e Parte de sua Quadrilha

Ontem, 14, por volta das 17h, uma guarnição da CIPE CHAPADA no patrulhando na cidade …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *