sexta-feira ,20 outubro 2017
Página Inicial / Polícia / Palocci divide PT sobre ‘plano B’ em 2018; Haddad e Wagner dividem apostas

Palocci divide PT sobre ‘plano B’ em 2018; Haddad e Wagner dividem apostas

Foto: Rovena Rosa/ ABr | Manu Dias/GOVBA

O depoimento do ex-ministro Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro não apenas fechou o cerco ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como escancarou o racha no PT sobre quem encarnará o “plano B” para a eleição de 2018, caso ele seja impedido de entrar na disputa. Embora os petistas não admitam em público a possibilidade de a candidatura Lula ser inviabilizada politicamente ou juridicamente, há grande temor entre alguns dirigentes de que Palocci tenha reunido provas ou indícios do que contou ao juiz Sérgio Moro na quarta-feira da semana passada. Segundo apurou o Estado, se fechar um acordo de delação premiada, Palocci detalhará, com provas, a movimentação financeira de campanhas eleitorais petistas e indicará quando e onde valores foram entregues ao partido e quem foi o responsável pela operação. Ao contrário do que dizem dirigentes do PT e apoiadores de Lula, um advogado e dois amigos de Palocci afirmaram que ele está “lúcido”, “sereno” e “aliviado” com a confissão a Moro. Há ainda a possibilidade de os relatos de Palocci serem corroborados pelo sucessor dele na Fazenda, Guido Mantega, que também negocia uma colaboração. Ao assumir para Moro que era o “Italiano” nas planilhas da propina da Odebrecht, petista fez as investigações avançarem diretamente rumo ao ex-presidente e complicou ainda mais a situação jurídica e política dele. Nos bastidores, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad seria o preferido de Lula para concorrer ao Planalto caso ele próprio seja inviabilizado. Há dúvidas, porém, se Haddad terá a “coragem” suficiente, nas palavras de um dirigente, para dar as costas ao discurso ético e defender o partido, um dos mais implicados no maior caso de corrupção da história do País, o dos desvios na Petrobrás. Alguns petistas acham que Haddad pode até apresentar reservas em defender Lula na intrínseca relação de amizade e troca de favores com empreiteiros já condenados pela Justiça. Além disso, Haddad é definido por integrantes da cúpula do PT como “Dilma de saia”. Trata-se de uma referência ao que muitos classificam como falta de jogo de cintura política da presidente cassada Dilma Rousseff. Na avaliação de dirigentes da sigla, principalmente os alinhados à tendência majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB), tanto Haddad quanto Dilma são “incontroláveis”. A favor de Haddad, no entanto, pesa a opinião de Lula, que vê numa eventual candidatura do ex-prefeito condições de produzir um discurso sob medida para a classe média e a juventude desencantada. A atual estratégia do PT, no entanto, ainda consiste em embalar a pré-campanha de Lula com a narrativa de que ele é vítima de “perseguição política”. Na quarta-feira, o ex-presidente será ouvido novamente pelo juiz Sérgio Moro – que já o condenou no caso do triplex -, desta vez no processo referente a propinas pagas pela Odebrecht.  A ideia do partido é bater na tecla de que, se Lula não puder ser candidato, a eleição de 2018 não terá legitimidade.

Para desestimular Haddad de disputar voos mais altos, um grupo do PT ofereceu a ele a candidatura ao Senado. Discípulos do fogo amigo contra o ex-prefeito dizem, ainda, que o ex-ministro Jaques Wagner – hoje secretário estadual na Bahia – tem mais “perfil” para entrar no lugar de Lula, se for preciso. “O plano A é Lula e não existe essa história de plano B”, diz Haddad, sempre que é questionado sobre o assunto. “O foco do PT, agora, deve ser lutar pela revisão da sentença que o condenou injustamente e descaracterizar o depoimento de Palocci, que não tem fundamento”, afirma o ex-prefeito. A avaliação, no entanto, é de que Palocci não teve a mesma “estatura moral” que o ex-ministro José Dirceu e os ex-tesoureiros do partido Delúbio Soares e João Vaccari Neto, que mesmo depois de presos não “entregaram” colegas. Para petistas, Palocci agiu de caso pensado para construir um discurso que agradasse ao Ministério Público e Moro e, assim, agilizar as negociações do acordo. No PT já surgiram algumas vozes pedindo a expulsão do ex-ministro, mas a cúpula do partido afirma que o assunto não foi discutido e que, se entrar em pauta oficialmente, vai obedecer a todos os trâmites com a garantia da ampla defesa. “Há uma troca de mensagens nas redes sociais entre militantes e dirigentes discutindo o momento mais oportuno para uma expulsão. Não deve demorar.

Existe um consenso se formando”, afirmou o deputado estadual José Américo (SP). Para o deputado, ao assumir a postura de delator, Palocci está dando “adeus” à política. A reação será manter a mobilização de apoio ao petista nas ruas. O próximo passo será mobilizar a militância para dar uma demonstração de apoio a Lula em Curitiba na próxima quarta-feira quando ele estará novamente cara a cara com o juiz Sérgio Moro. A denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e o ex-ministro Aloizio Mercadante por obstrução à Lava Jato será encaminhada à primeira instância da Justiça Federal, por decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (SFT).(Bahia Notícias)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Blitz da Cipe Chapada em rodovia entre Mucugê e Ibicoara, recupera carro roubado

Nesta quarta-feira (18), por volta das 16h, a guarnição alfa da Cipe Chapada, a realizar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *