sábado ,19 outubro 2019
Página Inicial / Economia / SEABRA: Sem Hospital População do Município Segue sem Saber Qual Unidade Procurar Para Tratamento

SEABRA: Sem Hospital População do Município Segue sem Saber Qual Unidade Procurar Para Tratamento

UPA Seabra/Foto: Reprodução/Google Earth

Após o fechamento do Hospital Frei Justo Venture, interditado pela Vigilância Sanitária do Núcleo Regional de Saúde Centro-Leste, no dia 27 de outubro de 2016, na cidade de Seabra, a população segue sem respostas sobre qual unidade de saúde deve procurar para cada tratamento.

De acordo com comunicado da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), “os atendimentos foram suspensos após a constatação de irregularidades no local e riscos a pacientes e funcionários”. O hospital já havia sido notificado outras vezes nos últimos dois anos por conta dos problemas. Segundo nota, foram encontradas, na última inspeção, mais de 60 irregularidades, com destaque para rachaduras no centro cirúrgico.

Após o fechamento do hospital, que atuava em convênio com o município, os pacientes passaram a procurar a Upa (Unidade de Pronto Atendimento), que começou a fazer qualquer tipo de atendimento A Secretaria Municipal e a Prefeitura Municipal de Seabra têm buscado ajudar na prestação de serviço: disponibiliza ambulâncias, medicamentos (vários dos quais não necessariamente precisam ter na unidade) e insumos, além de profissionais acima da quantidade estipulada para uma unidade de pronto atendimento.

Segundo o Dr. Marcos Melquidezeque, diretor, enfermeiro e coordenador da Upa, muitas cirurgias eram feitas no Frei Justo, como partos cesáreos, amputações, laqueaduras, o que ajudava a desafogar o sistema de saúde. Mas como a maioria dos médicos que hoje atuam na Upa são clínicos gerais, trabalham com equipe reduzida e não tem estrutura física, aparato físico para fazerem cirurgias de grande porte, os pacientes acabam tendo que ser transferidos, o que, às vezes, demora um pouco.

Leonardo Athayde, secretário de Saúde do Município, afirma que quando o município é procurado através da regulação, as pacientes de partos e cirurgias de emergência são encaminhadas para Salvador, Rui Barbosa e Miguel Calmon através da pactuação entre os conveniados. Quando os pacientes estão na Upa, são cadastrados em um sistema onde consta seu quadro clínico e aguardam transferência por meio dos convênios que o Estado tem com os municípios vizinhos, como com a maternidade de Iraquara.  A Upa deixou temporariamente de ter as alas verdes (pacientes menos graves em observação), amarela (pacientes mais graves), vermelha (para pacientes gravíssimos, que necessitam de maior atenção ou transferência) e passou a ter somente áreas de internação.

O enfermeiro Marcos e os funcionários têm se reunido para melhorar o atendimento, tirar duvidas e, a partir de janeiro deste ano, os funcionários passaram por recapacitação para melhorar o atendimento e poderem se adequar à nova situação.

“A expectativa é que a saúde no município venha melhorar com a abertura do hospital regional, para onde poderão ser encaminhados os pacientes da Upa. Com a vinda do SAMU, agilizando o serviço de emergência, diminuirá nossos gastos dos 15% retirado do Fundo de Participação do Município (FPM), onde poderemos investir na abertura e qualidade no serviço de Atenção Básica (UBS – Unidade Básica de Saúde), que é o foco do município”, diz o secretário de Saúde.

Qual unidade procurar em cada caso

É sempre bom que o paciente saiba em quais casos ele deve procurar a Upa, o Posto de Saúde e a UBS (Unidade Básica de Saúde).

Segundo o site do Ministério Público, o nosso principal contato com o SUS é na UBS (Unidade Básica de Saúde). É lá onde devem ser feitas consultas de rotina, mediante marcação, ou em caso de sintomas graves (como emergência), vacinação, testes rápidos, medicamentos, curativos, injeções (pós consulta ou tratamento), atendimento médico, com enfermeiro ou odontológico.

O Ministério Público também esclarece quando devemos procurar o PSF (Posto de Saúde da Família), aquele que fica localizado nos bairros. Lá é onde o paciente encontrará atendimento com o clinico geral, ou atendimentos específicos, com limitação de vagas por dia.

Reforçando as falas do secretário e do coordenador da UPA em Seabra, o Site do Ministério Público cita a função da Unidade de Pronto Atendimento, é lá onde deve ir o individuo que necessita de atendimento de emergência, “elas funcionam 24h, sete dias da semana. Exames como raios-X e eletrocardiograma, por exemplo, podem ser realizados na Unidade, mas os únicos especialistas disponíveis são clínica médica”. Ainda ressalta que os tratamentos são feitos nas UBS.

Agora felizmente, após a inauguração do Hospital Regional da Chapada, no dia 1 de Dezembro, os pacientes ganharão um atendimento mais digno, e poderão fazer diversos procedimento com a maior e melhor estrutura, como é a esperança do Secretário do Município e de todos nós Seabrenses.

Chapada News

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Estudo indica que um em cada quatro adolescentes é dependente de internet

Um levantamento feito pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) indica que 25,3% dos adolescentes …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *