quinta-feira ,19 abril 2018
Página Inicial / Educação / Seabra: UNEB emite nota de esclarecimento sobre vídeo postado em redes sociais

Seabra: UNEB emite nota de esclarecimento sobre vídeo postado em redes sociais

Confira o conteúdo da Nota de Esclarecimento que saiu essa semana, da direção da UNEB/Seabra (Universidade do Estado da Bahia), rebatendo vídeo postado (24 de março) por aluna, em redes sociais após evento Março Mulher Uneb Campus XXIII.

Nota de esclarecimento:

Diante do vídeo postado em redes sociais pela estudante da UNEB, Campus XXIII/ Seabra, vimos por meio desta informar à comunidade, que mais uma vez a gestão deste campus está sendo vítima de calúnia, mentiras criadas e implantadas com objetivos escusos.

Cabe-nos questionar: quais as reais motivações para criação de fato absurdo sem nenhum fundamento? o que está verdadeiramente por trás de tamanha calúnia e difamação?

Esclarecendo o fato alegado pela discente como ato de racismo:

Em 2015 tínhamos 06 (seis) vagas de estágio remunerado e um grande número de estudantes em situação de vulnerabilidade social, com grandes dificuldades de permanência na Universidade e continuidade dos seus estudos, requerendo ao Departamento auxílio para enfrentamento e soluções para o problema. Diante de uma grande lista de solicitações de auxílio, elaboramos uma proposta de reestruturação da oferta dos estágios, a qual foi discutida e aprovada em reunião de Conselho Departamental, conforme consta em ata nº 92 de 19/3/2015, quando ficou decidido que os estágios passariam a ser de 1 ano sem renovação, a fim de que um maior número de alunos pudessem ser beneficiados. Desse modo, o dobro de estudantes seriam beneficiados no prazo de 2 anos. Todos os estagiários não tiveram seus estágios renovados após completar 1 ano e não somente a estudante reclamante.

Cabe ressaltar que a estudante em questão foi avisada com antecedência e orientada a solicitar outras bolsas disponibilizadas pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil da Universidade, bem como a se candidatar às bolsas de monitoria de ensino e extensão do próprio campus, orientação a qual não foi seguida pela estudante, não se sabe o porquê.

Embora a estudante em seu discurso no vídeo diga que se calou e agora decidiu não mais se calar, tal fato também não procede, pois a mesma registrou queixa na Ouvidoria da Universidade em 2015, pediu abertura de sindicância por parte da Procuradoria Jurídica (PROJUR) da Universidade, tendo o requerimento sido indeferido por esta instância jurídica, a qual concluiu que “não há indícios mínimos de irregularidade, infração funcional de quem quer seja”, não ficando configurada a não renovação do estágio da estudante como ato de racismo. Resta claro pois, que a referida estudante jamais foi vítima de qualquer tipo de preconceito nesta gestão.

Tal fato nos leva a algumas reflexões e indagações:

Temos um grupo de professoras neste campus, especialistas e militantes das questões de gênero e étnico-raciais. Por que a estudante nunca as procurou para tratar de tal fato?
Por que esta questão retorna no período pré-eleições ao cargo de direção do Departamento?

Sigamos em frente. Caminhemos

Confira o vídeo:

 Vídeo da Aluna da Uneb. 

A aluna ainda postou em sua rede social (26 de março), a imagem da sua denuncia feita junto ao Ministério Público, e pediu “Colegas, ai está a minha denúncia ao Ministério Público, quero pedir o apoio de todos e agradecer a todos aqueles que vem me apoiando sinto bem mais forte”.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Bahia terá conta de luz mais cara a partir do domingo; Aneel aprova aumento em outros estados

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nesta terça (17) reajuste nas contas de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *