quarta-feira ,17 julho 2019
Página Inicial / Política / Silêncio de Rui e ACM Neto após reunião os aproxima de Bolsonaro e sua ojeriza à imprensa

Silêncio de Rui e ACM Neto após reunião os aproxima de Bolsonaro e sua ojeriza à imprensa

Alguém já cansou de ler políticos de oposição reclamando que o presidente Jair Bolsonaro evita a imprensa? Talvez seja o momento de petistas, principalmente, fazerem uma reflexão sobre o tema. Até porque, não é a primeira vez, que o governador Rui Costa usou da mesma estratégia para não falar sobre a reunião que teve com o prefeito de Salvador, ACM Neto.

Desafetos políticos, os dois gestores finalmente mostraram certo grau de maturidade e tiveram um encontro para, supostamente, tratar de temas relevantes à capital baiana, com destaque para a mobilidade. A reunião traz para os holofotes o início de uma relação republicana entre os dois, que trocaram farpas públicas durante os últimos quatro anos e sequer mostraram boa vontade um com o outro. Pelo menos, era essa a expectativa da imprensa em torno do encontro. Aconteceu?

Não dá para saber. Rui teria chegado a proibir a imprensa de ingressar na governadoria, sob a justificativa que não falaria com os jornalistas sobre a reunião. Até ali, o prefeito de Salvador iria falar depois do encontro e houve uma tentativa de mobilização para que a imprensa fosse atendida. Porém, além de não falar com os jornalistas, um acordo foi costurado pelo governador para que o tema do encontro fosse divulgado apenas por meio de nota, a ser distribuída pelas secretarias de comunicação.

Se é para ter controle narrativo sobre a reunião, não é problema algum em adotar a cautela. Principalmente em um contexto em que os dois protagonistas do encontro não parecem ser amistosos entre si. No entanto, ao evitar a imprensa, o governador e o prefeito caem no mesmo paradigma criticado em Jair Bolsonaro: a imprensa faz parte da democracia e responder a ela é parte da responsabilidade de homem público.

Rui, todavia, abusa da prerrogativa de escolher os assuntos que deseja falar. Apenas para ficar restrito a um exemplo recente, durante a Lavagem do Bonfim, o governador repetiu durante 8 km que “era dia de festa” e que não era o momento de falar de política. Se médicos falam de medicina, advogados conversam sobre direito e engenheiros tratam de engenharia, por que diabos um político não deve falar de política?

Chega a ser um insulto à inteligência essa estratégia de evitar falar sobre temas espinhosos. ACM Neto, às vezes, usa do recurso. Entretanto, mesmo a contragosto, responde perguntas que não gosta – algumas mal formuladas e que explicam a falta de paciência do prefeito e do governador. Prefiro acreditar que um problema de agenda apertada tenha impedido os dois gestores de falaram com os jornalistas que aguardavam o fim do encontro, mas tenho receio de estar errado. Ou então a reunião tratou de um tema que será amargo para a população e nenhum dos dois quis arcar com o ônus de apresentar publicamente o problema ainda.

Ah, mas o problema é o presidente da República, que prefere redes sociais ao embate direto com a imprensa. Bom, se o argumento for apenas esse, talvez seja o momento de reavaliar a posição de outros líderes políticos baianos.

 

Fonte: Bahia Noticias

 

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Otto: deputados do PSD vão votar a favor da reforma após acordo sobre recursos para Bahia

Presidente do PSD na Bahia, o senador Otto Alencar disse, nesta quarta-feira (10), que os …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *