quarta-feira ,10 agosto 2022
Página Inicial / Economia / Brasil: Escassez de medicamentos essenciais preocupa Anvisa e Ministério da Saúde

Brasil: Escassez de medicamentos essenciais preocupa Anvisa e Ministério da Saúde

Brasileiros têm encontrado dificuldade em encontrar alguns medicamentos nas prateleiras das farmácias. O “sumiço” tem afetado itens indispensáveis ao Sistema Único de Saúde (SUS) e listados na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) 2022, como a dipirona e o antibiótico amoxicilina. Segundo publicação do jornal O Globo, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já admitem risco de desabastecimento de medicamentos no mercado.

A inflação, o aumento da demanda de alguns medicamentos durante o inverno, a alta do dólar e do barril de petróleo – cujos derivados são usados para produzir embalagens – são alguns dos motivos para a escassez.

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde) mostrou que a escassez de medicamentos atinge não só as farmácias, mas também as unidades de saúde. Fizeram parte do levantamento 106 estabelecimentos como hospitais, clínicas especializadas e empresas que fornecem serviço de home care em 13 estados e no Distrito Federal.

A pesquisa revelou a falta de soro em 87,6% das instituições pesquisadas; dipirona injetável (usada para dor e febre), em 62,9%; neostigmina (indicada para combate doença autoimune que causa fraqueza nos músculos), em 50,5%; atropina (para tratamento de arritmias cardíacas e úlcera péptica), em 49,5%; contrastes (usado em exames radiológicos), em 43,8%; metronidazol bolsa (para infecções bacterianas), em 41,9%; aminofilina (contra asma, bronquite e enfisema), em 41%; e amicacina injetável (contra infecções bacterianas graves), em 40%.

Cerca de 40% das entidades que participaram da pesquisa afirmaram que adquiriram o soro por preço duas vezes maior do que o praticado no mercado. A neostigmina (de combate à doença autoimune que causa fraqueza nos músculos) também sofreu com a alta dos preços, 53% dos estabelecimentos que participaram da pesquisa apontaram que o estoque atual não chega a 25% do necessário.

Ao jornal O Globo, o Ministério da Saúde confirmou que já articula junto à Anvisa medidas para combater esse desabastecimento. A pasta informou ainda que “trabalha sem medir esforços para manter a rede de saúde abastecida com todos os medicamentos ofertados pelos SUS”.

CN com informações do Metro 1.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Bahia: Homem perde R$ 55 mil em golpe de falso leilão via internet

Nesta terça-feira, 9, um homem tentou realizar a compra de um carro em um leilão …