quinta-feira ,1 dezembro 2022
Página Inicial / Educação / CHAPADA: Conheça cinco expressões da consciência negra na Chapada Diamantina

CHAPADA: Conheça cinco expressões da consciência negra na Chapada Diamantina

Comunidade Quilombola do Morro Redondo, Seabra | Foto: Reprodução

O Dia Nacional da Consciência Negra é comemorado no dia 20 de novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares, e reivindica essa figura histórica como símbolo de resistência dos negros escravizados no Brasil, mas a data também representa um marco na política de ações afirmativas. Na Chapada Diamantina, a cultura africana está presente em diversas tradições e ações pelas diferentes cidades e vilas, mostrando que o movimento existe e resiste em diferentes formas.

A consciência negra emerge da relação entre o território, o corpo e a cultura, portanto envolve sentimentos e sensações sobre o que é ser uma pessoa negra na sociedade brasileira.

Conheça cinco expressões da consciência negra na Chapada Diamantina que se integram na luta contra o racismo, pela promoção da cultura afro-brasileira e pela valorização das matrizes religiosas africanas.

1.Territórios Quilombolas

Comunidade Quilombola do Remanso | FOTO: Branco Pires |

A Chapada Diamantina reúne mais de 80 comunidades quilombolas reconhecidas pela Fundação Palmares espalhadas por cidades como Andaraí, Lençóis, Seabra e Rio de Contas, marcadas pela presença da cultura negra. Nessas comunidades, saberes e modos de fazer ancestrais preservam a resistência de culturas e identidades de matriz africana. Alguns desses territórios oferecem aos viajantes roteiros de base comunitária e recebem turistas do mundo todo com rodas de conversa, apresentações da arte, culinária regional e do artesanato local. Saiba mais detalhes aqui.

2. Roteiros comunitários

Comunidade do Bananal | FOTO: Divulgação/Guia de Viagem Chapada Diamantina |

Conhecer a cultura da Chapada Diamantina é uma nova forma do turista vivenciar a realidade local e incluir diretamente, social e economicamente, os moradores locais. Um exemplo tradicional é a Associação Grãos de Luz, criada em Lençóis, que desenvolve um projeto pedagógico de educação não-formal nas comunidades da região. O trabalho pode ser conhecido através das Trilhas Griôs, um roteiro turístico que mistura hospedagem em comunidade quilombola, banho de rio, oficinas para fabricar produtos artesanais, como doces de frutas silvestres e rede de pesca, além de aprender com as experiências de rendeiras, parteiras, sanfoneiros e garimpeiros. Esse roteiro dura de um até quatro dias com organização do Grupo Calumbé, formado por jovens nativos integrantes da associação. Acesse mais informações aqui.

3. Religiosidade afrobrasileira

Culto ao Jarê e Ricardo Boa Sorte | FOTO: Divulgação

O Jarê é um culto sincrético surgido na Chapada Diamantina em meados do século XIX durante o desenvolvimento do garimpo de diamantes. Nele, a mistura de crenças de povos europeus, indígenas e africanos se revela com uma marcante predominância dos Orixás em uma relação com os Caboclos. O site “Memórias das Cantigas do Jarê” é uma iniciativa do terreiro Palácio de Ogum e Caboclo Sete Serra, localizado na cidade de Lençóis, que visa preservar e difundir a tradição local-regional. Leia mais sobre essa tradição aqui.

4. Arte afrocentrada

Com o teatro, a expressão negra se renova a cada dia. Com a música, o toque dos tambores dão graça ao mundo. Artistas negros e negras tem sido destaque da Chapada Diamantina para o mundo. É o exemplo de Ricardo Boa Sorte e Gal Pereira. Ricardo além de cantor é também compositor, dançarino e performer, ele se apresenta em Salvador e por cidades da Chapada Diamantina. Gal é uma atriz quilombola que tem alavancado sua carreira pela Europa com plateias em capitais culturais como Bruxelas e Paris para o espetáculo teatral do premiado livro Torto Arado do autor baiano Itamar Vieira Junior. Livro que tem como tema o trabalho escravo contemporâneo em uma fazenda na Chapada Diamantina.

5. Cultura popular

Boi Estrela | FOTO: Dimitri de Igatu |

Além das manifestações tradicionais preservadas, como as baianas e a capoeira, algumas têm sido resgatadas. O Boi Diamante de Lençóis é um exemplo de grupo contemporâneo, criado em 2021. O movimento cultural é realizado por artistas, educadores, pesquisadores e amantes da cultura popular que vivem na cidade e desejavam promover essa tradicional festa de rua e transmitir seus conhecimentos. A ideia do grupo é reverenciar a memória do brinquedo popular “Boi Bumbá”, que também é celebrado em outras cidades das regiões Nordeste e Norte do Brasil. Ao ritmo do Samba de Coco, marcado pelos tambores alfaias, o Boi Diamante realizou um festival e foi às ruas com os moradores e turistas. Veja fotos do cortejo aquiCom informações do Guia Chapada Diamantina.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

CHAPADA: Stefano Cortese e as cantoras Nina Neder e Ana Salvagni combinam músicas de diversas culturas no concerto ‘A lenda do pianista do Capão’

O concerto de piano solo ‘A lenda do pianista do Capão’, com o músico italiano …