Página Inicial / Noticias / CHAPADA: Geógrafo diz que região da Chapada Diamantina necessita de mapeamento técnico, após queda de paredão em Capitólio

CHAPADA: Geógrafo diz que região da Chapada Diamantina necessita de mapeamento técnico, após queda de paredão em Capitólio

Com a queda do paredão no Lago de Furnas, em Capitólio-Minas Gerais, no último sábado (8), onde 10 pessoas morreram, emitiu-se um alerta para a importância da realização de mapeamentos, estudos e monitoramento técnicos de áreas ambientais no Brasil. Na Bahia, a Chapada Diamantina, região turística, é conhecida pelas suas belezas naturais, mas que merece atenção, monitoramento e cautela.

Conforme o Geógrafo Marialvo Barreto, “toda área ambiental possui riscos, mas os estudos técnicos podem amenizar os perigos e ampliar a segurança. A Chapada Diamantina tem paredões, rios, lagos e grutas com as mesmas qualidades, por isso é necessário um mapeamento para orientar os guias ambientais”, afirmou em entrevista ao Conectado News.

Além dos levantamentos técnicos, é necessário que os guias turísticos e visitantes tenham prudência e respeito aos alertas emitidos. “É possível sim haver algumas quedas de blocos, principalmente nos períodos de chuva, mas existem associações de guias que normalmente passam as informações acerca das trilhas que podem e não podem ser visitadas em determinados períodos, então é importante ficar atento, principalmente em períodos chuvosos”, disse o geólogo Carlos Uchoa.

Publicidade

O geógrafo e o geólogo afirmam a necessidade de estudos mais aprofundados na Chapada Diamantina, principalmente em áreas de paredões que são mais propensas à movimentação de massas, como o paredão que forma a garganta do diabo no Mucugezinho e a Cachoeira do Mosquito.

Em Minas Gerais, o acidente ocorreu por volta das 12h30, causando 10 mortes e atingindo mais três embarcações que estavam na área. “Desde 2012 que aquele bloco estava com uma abertura significativa indicando uma queda iminente e nada foi feito. Os órgãos públicos precisam fazer o monitoramento e mostrar as áreas de riscos geológicos com antecipação. Quando essas áreas são identificadas é necessário que se faça um desmonte controlado, rebaixando o terreno aos poucos, até que o perigo desapareça”, declarou Uchoa.

Chapada News com informações do Conectado News

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

CHAPADA: Feira Agroecológica da Chapada Diamantina e Forró da UNEB são destaques no junho da UNEB-Seabra

Mês de junho marca o retorno da segunda edição da Feira Agroecológica na UNEB-Seabra, na …