segunda-feira ,4 março 2024
[adsanity_group align='alignnone' num_ads=1 num_columns=1 group_ids=309]
Página Inicial / Educação / Estudante baiana de 18 anos é aceita em 17 universidades internacionais

Estudante baiana de 18 anos é aceita em 17 universidades internacionais

Foto: Reprodução

A estudante baiana Anna Carolina Stein, de 18 anos, está prestes a realizar um sonho. Moradora de Serrinha, cidade a cerca de 206 km de Jacobina, ela alcançou um feito impressionante ao ser aceita para estudar em 17 instituições de ensino superior fora do país. Agora, a jovem se prepara para embarcar para Flórida, nos Estados Unidos, em agosto deste ano.

As universidades estrangeiras matriculam alunos sem aplicar os tradicionais vestibulares conhecidos no Brasil. O processo de escolha envolve análise curricular e de méritos, além de cartas de indicações emitidas por professores. Quem atender aos requisitos passa por uma prova, chamada por brasileiros de “Enem americano”, que abrange disciplinas básicas, como inglês e matemática.

Dentre as instituições em que Anna Carolina teve notas e currículos aceitos, 15 são dos Estados Unidos, uma é da Irlanda e outra, dos Emirados Árabes Unidos. Em entrevista ao g1, ela lembrou a trajetória para conseguir as aprovações, que incluiu trabalhos voluntários, além de uma jornada intensa de estudos.

A baiana contou que sentiu vontade de estudar fora do país aos 10 anos de idade. No entanto, a serrinhense se deparou com desafios, para além do preparo intelectual. O principal deles era o dinheiro.

Segundo ela, as agências de intercâmbio que prestam esse tipo de serviço cobravam valores excessivos, chegando a quase R$ 100 mil por ano, o que estava distante da realidade financeira da família dela.

“Foi um sonho que por muito tempo ficou em segundo plano, sabe? Porque nunca imaginei que pudesse realmente fazer isso sozinha, que pudesse dar certo”.

Foto: Reprodução

2020, Anna Carolina decidiu buscar opções mais acessíveis e ingressou em uma escola preparatória online, criada para auxiliar quem deseja estudar fora do país. O serviço reúne pessoas que passaram pelo mesmo processo e ensina outros estudantes a trilhar o melhor caminho.

Nesse momento, Anna descobriu que para ser aceita, não bastava tirar notas altas e conseguir cartas de indicações, mas também era necessário realizar atividades extracurriculares. “Como aqui na minha cidade não tinha tanas opções, precisei buscar em outros lugares, contei muito com a ajuda da internet. Todas foram feitas de modo virtual”, explicou.

A jovem participou de vários cursos oferecidos pela escola preparatória, inclusive no período das férias do colégio onde estudava, além de realizar trabalhos voluntários, que lhe “enchem de orgulho”.

Foi o voluntariado que me permitiu obter a bolsa, que fez toda diferença para que eu pudesse ir para a faculdade nos Estados Unidos. Essa oportunidade foi concedida com base no meu impacto na comunidade.
Anna fundou o projeto “Relendo Sonhos”, que arrecadou e doou 130 livros para estudantes carentes de três cidades do interior baiano. Segundo ela, mais de 300 crianças e adolescentes foram beneficiados pela iniciativa. Além disso, a serrinhense fez parte da organização Cáritas Brasil e ajudou a arrecadar alimentos, roupas e livros para comunidades rurais.

Desde 2021, Anna também atua como mentora na escola preparatória “The Dream School”. Até o momento, ela já orientou cerca de 500 alunos, ajudados em revisões de redações e aulas gratuitas de inglês, entre outras atividades.

Apesar de todos os esforços, Anna ainda acreditava ser difícil conseguir realizar o sonho de estudar fora do Brasil. Segundo ela, trata-se de “uma verdadeira competição”, onde perfis de candidatos do mundo inteiro são avaliados e disputam um número reduzido de vagas.

Entre as “desvantagens” citadas está o fato de concorrer com canadenses, norte- americanos e outros cidadãos que têm o inglês como língua materna, portanto, são fluentes, enquanto ela precisou aprender o idioma do zero.

Decisão

Foto: Reprodução

Dentre as 17 universidades em que foi aceita, Anna decidiu se matricular na Stetson University, localizada na Flórida, nos Estados Unidos. A escolha foi motivada, entre outros fatores, pelo clima, semelhante ao de Serrinha, em grande parte do ano.

Além disso, a Stetson foi a instituição que ofereceu a ela a duas bolsas de estudo, o que proporcionou uma formação com custo quase zero na anuidade da faculdade, alimentação e acomodação, já que os alunos são exigidos a morar no alojamento do campus nos três primeiros anos.

As bolsas concedidas para a serrinhense foram as de mérito, baseada no desempenho acadêmico e nas cartas de recomendação feitas pelos professores, além da “Bonner Foundation”, que abrange quem se dedica a trabalhos voluntários.

A futura universitária já garantiu vaga com a matrícula, contudo, ainda não definiu qual profissão pretende seguir. “Nessas universidades, não é possível escolher um curso específico de imediato. A admissão é concedida para a faculdade como um todo, então posso conhecer as opções, áreas de afinidade, o que proporciona maior liberdade na escolha da minha profissão”.

Uma coisa é certa: Anna Carolina pretende continuar com trabalhos voluntários, voltados para a área de educação, e ajudar outros jovens que têm o mesmo sonho. “Meu objetivo principal é realmente democratizar o ensino, essas oportunidades, que por muito tempo foram super elitizadas e que até pra mim eram impossíveis, mas agora vejo que não são”.

(Fonte: g1)

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Aprovado em Medicina na USP tem matrícula negada após decisão de banca: ‘Sempre me considerei pardo’

Um estudante aprovado em Medicina na Universidade de São Paulo (USP) teve a sua matrícula negada após a comissão …

[wp_bannerize group="Banner Rodapé" random="1" limit="1"]