sábado ,27 novembro 2021
Página Inicial / Entretenimento / IRAQUARA: Prefeitura proíbe eventos com paredões na cidade. Grupo protesta e diz que só quer trabalhar

IRAQUARA: Prefeitura proíbe eventos com paredões na cidade. Grupo protesta e diz que só quer trabalhar

 

Na última quinta-feira (04), a gestão do Prefeito Nino Coutinho (PSD), do município de Iraquara, na Chapada Diamantina, anunciou que após reunião com o Comandante Regional da Polícia Militar, ficou decidido que conforme determinação anterior do Governador do Estado da Bahia, Rui Costa (PT) e também de legislação federal, estadual e municipal, permanecem proibidos os eventos, em vias públicas ou espaços privados, que se utilizem de paredões de som, carros de som, trios e afins.

Mas, a gestão liberou eventos que se utilizem de voz e violão, entretanto, respeitados todos os protocolos de prevenção à Covid-19, bem como a legislação municipal de número 173/2011, de 10 de maio de 2011, igualmente leia estaduais e federais sobre o tema em tela.

Porém, após o anúncio da proibição de paredões em Iraquara, alguns proprietários de veículos automotores equipados com esse tipo de som, vieram a público fazendo protesto, alegando que “paredão não é crime”, que a gestão proibiu sons com paredão até em clubes privados. Que essa determinação “está tirando a renda de muitos donos de clubes e paredões além da diversão da juventude”. O grupo protesta dizendo que “Não estamos fazendo baderna, só queremos trabalhar”.

Alegam ainda que o Governador deixou bem claro que com aviso à prefeitura e à polícia militar, os eventos seriam permitidos. Em uma publicação no Twitter de 13 de outubro Rui Costa esclarece: “Não vamos permitir nenhuma festa de paredão na Bahia. Para festas serem realizadas fechando ruas, as prefeituras precisarão autorizar e comunicar à Polícia Militar previamente. Caso não haja autorização prévia, a PM deverá apreender os equipamentos sonoros”.

Porém, tal determinação já ocorre em diversas cidades da Bahia, algumas antes mesmo da determinação do Governador Rui Costa feita no dia 13 de outubro, após seis pessoas morrerem e 12 ficarem feridas em uma festa de rua em Salvador. O crime ocorreu entre o dia 12 de outubro e a madrugada do dia 13.

A proibição se dá, porque, além de presumir violência, também se remete à proibição de poluição sonora prevista em leis de esferas federais, estaduais e municipais. Outro motivo a ser considerado é a pandemia do Coronavirus. Há decreto que proíbe eventos com uso de paredões em respeito à pandemia da Covid-19 e fica a cargo das prefeituras autorizar ou não tais eventos.

 

Chapada News

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Polícia de Seabra deflagra operação para localizar envolvidos em sequestros. Policiais militares da 29ª são presos.

A Polícia Civil da Bahia, através de intensas intensas investigações realizadas pela 13ªCOORPIN/SEABRA E DRACO, …