quarta-feira ,18 maio 2022
Página Inicial / Entretenimento / Ministério da Justiça determina retirada de filme de Gentili e Porchat com cena de masturbação

Ministério da Justiça determina retirada de filme de Gentili e Porchat com cena de masturbação

Após polêmica repercutir, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor, determinou que o filme “Como se tornar o pior aluno da escola” (2017) seja removido dos catálogos das plataformas de streaming no Brasil.

O não cumprimento resulta em multa diária de R$ 50 mil, informou o ministro Anderson Torres nesta terça-feira. O que motivou a decisão foi uma cena que viralizou no fim de semana, na qual o personagem de Fábio Porchat, o pedófilo Cristiano, assedia sexualmente dois garotos. Cristiano interrompe Pedro (Daniel Pimentel) e Bernardo (Bruno Munhoz), pede que eles parem de discutir e, para não serem prejudicados na escola, o masturbem.

Na segunda-feira, Torres, se manifestou sobre a situação, informando ter pedido a “vários setores” que tomassem “providências cabíveis” contra a obra, baseada no livro homônimo de Danilo Gentili, devido ao que ele descreveu como “detalhes asquerosos”.

Segundo o “Guia prático de classificação indicativa”, referência da indústria audiovisual brasileira cuja quarta edição foi publicada pelo Miistério da Justiça e Segurança Pública em 2021 (ou seja, já durante o governo Bolsonaro e na gestão de Torres), “conteúdos em que um personagem se beneficia da prostituição de outro” ou nos quais há indução ou atração “de alguém à prostituição ou outra forma de exploração sexual” não são recomendados para menores de 14 anos — que é justamente a classificação indicativa de “Como se tornar o pior aluno da escola”.

Publicidade

Algumas personalidades se manifestaram desde domingo, acusando o filme de pedofilia. Entre elas estão o secretário especial da Cultura, Mario Frias, o deputado estadual André Fernandes (Republicanos-CE), a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), o deputado federal Marco Feliciano (PL-SP) e o vereador de Niterói Douglas Gomes (PTC-RJ), que compartilhou o vídeo da cena polêmica.

Frias afirmou que o filme faz “apologia ao abuso sexual infantil”. Em seu perfil no Twitter, o titular da Cultura escreveu que “é uma afronta às famílias e às nossas crianças. Utilizar a pedofilia como forma de ‘humor’ é repugnante! Asqueroso!”

O Globo cultura

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Chapada: Artista do Vale Capão é indicada ao prêmio ‘Braskem’, como atriz revelação de teatro

  A aramista, performer e atriz Ninha Almeida concorre ao principal prêmio de teatro da …

No Banner to display

Vídeo Destaque

Previsão