terça-feira ,11 maio 2021
Página Inicial / Noticias / Pandemia expõe 19 mi com fome no Brasil em 2020; Bahia não tem dados atualizados

Pandemia expõe 19 mi com fome no Brasil em 2020; Bahia não tem dados atualizados

A pandemia da Covid-19 aumentou o problema da fome no Brasil. Isso é o que revela o  Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, publicado nesta semana pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan). 

De acordo com o levantamento, nos últimos meses do ano passado 19 milhões de brasileiros passaram fome e mais da metade dos domicílios no Brasil sofreu com algum grau de insegurança alimentar. Na Bahia, apesar de não haver dados recentes sobre a situação da fome, representantes de instituições que atuam no âmbito social, têm sentido o impacto da pandemia. 

 

Segundo a responsável pelo Dispensário de Santana, em Feira de Santana, no Portal do Sertão, a realidade não é das melhores. Irmã Rosa atua há 38 anos com amparo social a pessoas em situação de pobreza, e conta que desde março do ano passado, mês de início da pandemia, a busca por comida aumentou. “Nunca tinha presenciado algo do tipo. Sempre tivemos pessoas aqui batendo à porta e buscando alimentos, mas nunca foi da forma que está. Temos um porteiro que faz a ronda de madrugada e nos contou que as pessoas começaram a chegar às três da manhã em busca de alimento. Se não fossem pessoas necessitadas, não se expunham a isso”, revelou.

 

Ainda de acordo com a irmã, desde o início da pandemia, pelo menos 1.300 foram cadastradas para receber até duas cestas básicas por mês. 

 

De acordo com a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), os dados mais recentes refletem a realidade do ano de 2015, quando o estado figurava com 8,6% da população em situação de pobreza, o que equivalia 1,224 milhão de pessoas. Já aquelas que viviam em extrema pobreza eram 657 mil pessoas, o equivalente a 4,4% da população do estado. 

 

Para efeito de comparação, em 2002, o estado tinha 23% da população em situação de pobreza (3,117 milhões) e 12,6% em situação de extrema pobreza (1,709 milhão). Os dados divulgados pela pasta mostram ainda que, em 2017, a capital Salvador tinha 6,2% da população em situação de extrema pobreza (185 mil). Historicamente, as regiões com os maiores níveis de extrema pobreza e insegurança alimentar são as populações periféricas das grandes cidades e das regiões do semiárido baiano.

 

O secretário Carlos Martins, à frente da SJDHDS, vê a situação da pandemia no estado com preocupação. “Esses dados mostram a extrema gravidade do que é a pandemia em relação à segurança alimentar. Mais de 119 milhões de brasileiros tiveram algum tipo de dificuldade de se alimentar durante esse período. É algo muito preocupante e aqui na Bahia não deixamos de ter um paradoxo. Apesar de ser a maior economia do Nordeste, é também o estado com o maior número de pessoas que vivem na pobreza e extrema pobreza. Aqui temos quase um milhão e 800 mil pessoas que recebem o Bolsa Família”, revelou. 

 

Apesar da ausência de dados atualizados sobre a insegurança alimentar, números revelados pela SJDHDS indicam um aumento significativo na demanda de participantes no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do governo do estado. Em 2020, o PAA foi responsável pela distribuição de 4,9 milhões de quilos de alimentos e 5,5 milhões de litros de leite. Mais de 213 mil famílias foram beneficiadas por alguma das duas modalidades do PAA. O investimento, que chega a R$ 27 milhões, é fruto de convênio com o Ministério da Cidadania e conta com contrapartida do Governo do Estado. 

 

Já em 2019, ano que antecedeu a pandemia da Covid-19, o PAA foi responsável pelo fornecimento de 1.500.000 de quilos de alimentos e 5.224.535 de litros de leite. “A demanda aumentou no período da pandemia. Isso por que temos uma demanda reprimida, ou seja, mesmo sem a pandemia já tínhamos pessoas em situação de fome que não conseguíamos atender, a segunda coisa é que com a pandemia as pessoas ficam desempregadas passaram necessidade e consequentemente aumentou a demanda da fome no Estado”, explicou Carlos Martins.

 

No Brasil, conforme divulgou a Agência Brasil, com base no levantamento da Rede Penssan, 55,2% dos lares brasileiros, ou o correspondente a 116,8 milhões de pessoas, conviveram com algum grau de insegurança alimentar no final de 2020 e 9% deles vivenciaram insegurança alimentar grave, isto é, passaram fome, nos três meses anteriores ao período de coleta, feita em dezembro de 2020, em 2.180 domicílios.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Rio de Contas: Acidente entre carro e caminhonete deixa um ferido

Um acidente envolvendo uma caminhonete e um carro de passeio em um trecho da BA-148, …