quinta-feira ,29 setembro 2022
Página Inicial / Saúde / Setembro Amarelo: Preocupação excessiva com a aparência, distorção de imagem, medo (ou mania) de espelho… Precisamos falar sobre a Dismorfia Corporal

Setembro Amarelo: Preocupação excessiva com a aparência, distorção de imagem, medo (ou mania) de espelho… Precisamos falar sobre a Dismorfia Corporal

Vivemos um tempo em que a preocupação excessiva com a aparência atinge, a cada dia, níveis alarmantes. Com a ditadura das redes sociais, o maior uso de telas e câmeras, e os padrões de beleza impostos, as pessoas desejam, desesperadamente, se enquadrar nesses modelos. Primeiro através dos milagrosos filtros, que proporcionam um rosto quase perto do sonhado ideal, depois querem que esses filtros se tornem realidade e, então, procuram os procedimentos estéticos.

“Creio que com as redes sociais, a busca por um corpo perfeito, aquela beleza de “filtro”, é cada vez maior. E isso pode influenciar, negativamente, na percepção da imagem corporal. As pessoas se comparam mais com as outras, e querem parecer impecáveis tanto nas redes, quanto na vida real”, diz a cirurgiã plástica Dra. Thamy Motoki,  membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O problema é que essa busca infinita pela aparência perfeita pode se transformar em um sério transtorno psicológico, paralisando de modo grave a vida do indivíduo. É quando a pessoa passa a se incomodar, de forma desproporcional, com algo em seu corpo. Seja uma manchinha aqui, uma marca de expressão ali, o nariz, a orelha, a perna mais ou menos grossa, entre diversos outros pontos. 

Só que muitas vezes esses “defeitos” visualizados nem sempre estão, de fato, ali, ou são supervalorizados. A pessoa então passa a se olhar obsessivamente no espelho, ou então foge dele. E tenta escapar da vida social, do convívio com as pessoas, acreditando que está feia e desencaixada do padrão.

Quando isso acontece é bem provável que esteja ocorrendo um quadro de Dismorfia Corporal, ou Transtorno Dismórfico Corporal, quando a pessoa tem uma preocupação excessiva com o corpo e passa a ver sua imagem de forma distorcida. Acredita-se que hoje em dia o problema atinja cerca de 4 milhões de pessoas só aqui no Brasil, e até 2% da população mundial.

“A dismorfia corporal é um transtorno psicológico que resulta em um impacto muito negativo para autoestima, além de afetar a vida no trabalho, nos estudos e no convívio em geral com outras pessoas”, pontua a Dra. Thamy.

A médica conta que já recebeu em seu consultório muitos pacientes com essa dismorfia. E o que eles querem é corrigir, através de cirurgias, um problema que nem existe e está apenas em sua mente. “A abordagem, nesses casos, não é simples. O próprio paciente não tem noção do seu problema e necessita um olhar cuidadoso, alguém que o ouça e acolha adequadamente. Eu, como cirurgiã plástica, tento mostrar de forma técnica que não há problema, de fato, com o corpo. Ou então que pode estar havendo uma supervalorização de um pequeno problema”, explica a Dra. Thamy. 

Ela, inclusive, já se negou a realizar cirurgias em pessoas com esse quadro de distorção de imagem. “Já neguei, sim! É preciso ter bom senso para indicar um procedimento cirúrgico e também para declinar um pedido. E já aconteceu de paciente ficar chateado, afinal, ele procura uma cirurgiã para operar e não esperam, nunca, receber um não. Mas, como disse, é preciso ter bom senso”, diz a profissional.

A dismorfia corporal tende a surgir na época da adolescência e afeta mais, em sua grande maioria, as mulheres. Afinal, a cobrança estética em cima do público feminino, não é segredo, sempre foi grande e cruel. 

De acordo com a cirurgiã, pessoas com dismorfia corporal estão insatisfeitas com o próprio corpo de maneira exagerada. Podem supervalorizar pequenos defeitos transformando isso na causa de todas as suas insatisfações. “As reclamações mais comuns que noto aqui na clínica são relacionadas à face, em especial ao nariz, e às mamas”, detalha.

O diagnóstico de uma pessoa com transtorno dismórfico corporal nem sempre é imediato. Mas ao longo das consultas com o médico ele pode se revelar em queixas repetidas direcionadas à determinada área do corpo, insatisfação permanente com aquela região, ainda que não haja um problema anatômico/ estrutural/funcional importante. “O paciente nitidamente ansioso e relacionando seus problemas, e demais insatisfações, àquela tal “imperfeição”, ou que tenta atingir determinado padrão de beleza estipulado como ideal, pode estar sofrendo de dismorfia. Além disso, quem apresenta esse quadro, também relata evitar convívio social (como ir à praia ou piscina, por exemplo), tem dificuldade de concentração e olha-se no espelho com frequência, ou chega a evitar por completo ver sua imagem refletida ali”, explica a médica, sobre os indícios que indicam o problema. 

Apesar de ser ainda pouco abordada, a dismorfia corporal, principalmente entre os adolescentes, mas em todas as idades, é um problema sério, que precisa ser diagnosticado e tratado antes que gere consequências e traumas ainda piores, inclusive cirurgias arriscadas e sem necessidade alguma. Por isso é preciso sempre estar atento aos familiares e amigos à nossa volta e procurar tratamento adequado assim que os primeiros sintomas forem notados. 

“Meu conselho é: cuide do seu corpo, sem esquecer da sua mente! Corpo saudável e mente saudável devem caminhar juntos. Evite comparações com outras pessoas e procure ajuda especializada com psicólogo e psiquiatra”, orienta a cirurgiã, Dra. Thamy Motoky. 

CN com informações de assessoria.

Sobre Redação

Você pode Gostar de:

Sem controle efetivo, Salvador tem 300 mil animais nas ruas

O abandono de animais nas ruas de Salvador aumentou quase oito vezes desde o início …